quarta-feira, 8 de março de 2017

Bolo de Cenoura – Sem erro! ;)

Começarei me apresentando: sou a Raquel, formada em gastronomia e não, não sou chef, sou cozinheira. Muitos podem achar estranho o fato de eu não aderir ao status de Chef de Cuisine, mas a verdade é que esse termo ficou banal para os profissionais da área e vou explicar o por quê.
Mas antes de falar sobre o chef de cozinha, vou falar de algo que vêm ocorrendo de uns anos pra cá: a gourmetização das coisas. É brigadeiro gourmet, picolé gourmet, pipoca gourmet, churros gourmet, sacolé gourmet, hambúrguer gourmet, feijoada gourmet... é tanta coisa gourmetizada que eu poderia ficar horas aqui escrevendo, mas a grande questão é o que é gourmet?
A expressão está associada à ideia de alta gastronomia, de comida requintada e ingredientes de qualidade, produtos feitos de forma mais criteriosa e apresentados de modo diferenciado. Só que não é isso que estou vendo por aí... o gourmet ficou tão banal que as pessoas acham que é só trocar a embalagem e pronto! Gourmet!, virou sinônimo de comida cara e muitas vezes absurda de se pagar e percebo que muitos estão de saco cheio desse termo.
E querem saber o que mais gourmetizou? O chef de Cozinha.
Ser chef de cozinha é ser celebridade hoje em dia e sinceramente quem é chef de cozinha? O cara que acabou de ganhar um programa de TV e vai fazer um curso numa das melhores escolas de gastronomia do mundo? O cara que terminou uma faculdade caríssima e tá só limpando o chão da cozinha? Ou o cara que está há anos e anos trabalhando num restaurante pra ganhar pouco mais de um salário mínimo?
Um chef de cozinha é alguém com experiência, com anos e anos de trabalho nas costas (porque não é fácil trabalhar mais de 10 horas seguidas de pé, viu?), alguém que comanda uma brigada – e com brigada eu digo, superficialmente, o sub-chef, o garde manger, os cozinheiros, os estagiários, o lava-louça - inteira com maestria, alguém que tem a capacidade de se reinventar na cozinha.
Fazer uma faculdade de gastronomia não significa que você sairá de lá chef de cozinha, você sairá cozinheiro e isso, ao contrário do que muitos pensam, não é uma coisa ruim. Ser cozinheiro é excelente, é aprender o tempo inteiro, porque cozinha é isso, aprendizado, não só sobre comida, é aprender a conviver com o outro, é desafiar seus limites, é exercitar a criatividade e surpreender-se.
Finalmente, pra eu terminar minha “apresentação” quero fazer um combinado com vocês, vamos parar de gourmetizar as coisas? Rs

E por isso, não deixaria de passar pra vocês uma receitinha de vó e que tenho certeza que todos irão gostar.

Bolo de Cenoura – Sem erro! Ingredientes:

  • 4 cenouras grandes
  • 4 ovos
  • 1 xícara de óleo de girassol (ou o óleo neutro que você preferir)
  • 2 xícaras de açúcar
  • 4 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de preparo:
Preaqueça o forno a 180 graus.
Unte com manteiga uma forma com furo no meio e enfarinhe.
Lave e descasque as cenouras e as coloque no liquidificador. Junte o óleo, os ovos e o açúcar e bata até obter um creme.
Numa tigela peneire a farinha e o fermento em pó e misture o creme de cenoura, mexendo delicadamente com uma colher.
Despeje na forma untada e enfarinhada e leve ao forno por aproximadamente 35 minutos (esse tempo varia de forno para forno).

Obs.: Você pode cobrir o bolo com um simples e delicioso brigadeiro, mas essa receita eu vou ensinar uma próxima vez. ;)

Beijos, Raquel.


*Foto meramente ilustrativa - ICKFD - Dani Noce